GPL quer ajuda dos técnicos de saúde das Forças Armadas

O vice - governador de Luanda para o sector económico, Júlio Bessa, disse terça-feira, que enquanto durar a greve dos enfermeiros, o executivo provincial vai solicitar ajuda das Forças Armadas Angolanas (FAA).

77
COMPARTILHE

Falando à Rádio Nacional de Angola (RNA), o governante fez saber que contactos ao mais alto nível já estão a ser feitos. “Sim, é possível. Até porque temos no exército pessoal capacitado para o efeito”, frisou

No seu entender, alguma coisa tem de ser feita e, perante a situação, o governo não pode ficar de braços cruzados. “Não podemos ficar de braços cruzados, estamos a desenvolver contactos para enquanto durar essa paralisação, os hospitais possam funcionar normalmente”, garantiu o governante.

Dizer que o protesto foi convocado pelo Sindicato dos Técnicos de Enfermagem de Angola (Sintenfl) e, que o seu período de duração dependerá da celeridade que o Governo terá para atender às preocupações apresentadas.

Recorde-se que o Sintenfl conta com um total de 6.000 enfermeiros filiados, numa província com quase sete milhões de habitantes.

COMPARTILHE